sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O TEMPO - Porque tudo chega e tudo passa

Essa era uma frase que minha mãe sempre falava quando se infundia no nosso coração de criança, um espectativa muito grande diante de grandes eventos que estavam pra chegar, como o Natal , o festival folclórico, o dia das crianças ou os dias que antecediam as fantáticas férias na vila do Careiro. Nós, crianças, ficávamos extremamente excitados, perdíamos o sono e torcíamos para aquele dia especial chegar logo. E chegava, e passava. Aí a mamãe dizia: não se admire, porque tudo chega, e tudo passa...
Essa frase, fruto da sabedoria materna, demonstra o quanto a vida passa veloz. Nossa vida é uma sucessão de momentos. Quantos natais, quantas copas do mundo, quantos aniversários já foram e quantos virão ainda?
E isso institivamente nos leva a meditar sobre o tempo. Tempo é coisa de homem finito, que necessita se locomover em termos de momentos sucessivos e espaço físico mensurável.
Nossos dias passam como um breve pensamento...tudo passa rapidamente e nós voamos, disse Moisés no seu salmo, revelando que devemos ter um coração peregrino, pois vamos perambular pela superfície dessa terra por pelo menos 70 ou 80 anos, e mas cedo ou tarde, nos defrontaremos com a eternidade, a qual Deus colocou no coração do homem e para a qual fomos destinados.
Primavera, verão, outono, inverno. Movimento de rotação e translação. Segundos, minutos, horas, dias, anos...séculos. Bodas, aniversários. É assim que contamos o tempo.
E aquilo que era nossa maior ambição, ou o objeto de nossa maior obssessão em vida se diluiu com o tempo e virou substrato de fragmento de pó de lembranças fugidias e memórias esquecidas. Pense no que sobreviveu de suas mais importantes preocupações, 100 anos depois.
Agora Deus não conta tempo. Para Ele tudo é um eterno presente. De eternidade a eternidade tu és Deus, diz o salmista.
E isso é simplesmente fantástico.
Deus nos viu no princípio de tudo e nos vê no crepúsculo dos tempos. Ele nos vê agora, já usufruindo o céu pela eternidade afora, ad infinitum, apesar de nos ver ainda andando e chorando enquanto semeamos. Por isso o Cordeiro de Deus foi morto e seu sacrifício foi conhecido antes da fundação do mundo e por isso, no seu modo de ver, Ele nos vê como num presente contínuo, predestinados, chamados, justificados e já glorificados, mesmo estando nós ainda agonizando nessa terra pra manter a fé viva, nos esforçando pra preservar nosso status de santos, e gemendo nesse vale de lágrimas por experimentarmos as mazelas e ambiguidades que só os seres humanos carregam.
Diante de tudo isso, se Deus é infinito e nós somos finitos, se Deus preparou a eternidade para nós e se a vida é tão curta, devemos orar como Moisés: Ensina-nos a contar os nossos dias e usar nosso pouco tempo para termos sabedoria para vivermos bem. Paulo aconselha a que usemos bem o tempo, e o resgatemos, por que os dias são maus. Ele também dizia que o viver que agora tinha através de seu corpo, era mantido sob a perspectiva da fé em Jesus Cristo.
Quando estava perto de completar meus 50 anos (e eu achava que eles estavam num futuro mais do que longínquo, e eu os completei agora, no dia 16 de outubro), deparei-me com um livro sobre oração de Philip Yancey. Lá, ele dizia que perto de fazer 50 anos, ele se isolou numa casinha na montanha pra escrever o que ele iria fazer nos próximos 20/30 anos que ainda lhe restavam.
Achei a idéia sensacional. Calhou do Micael ter que ir a Presidente Figueredo, e eu me protifiquei de ir com ele. Deixei-o no forum da cidade, e me refugiei num restaurante na corredeira do Urubuí. Ali comecei a escrever o que dos meus projetos humanos ainda estavam por fazer. Foram momentos super recompensadores.
Escrever um livro, fazer uma história em quadrinhos, realizar todos os sonhos e projetos do Abrigo R15, nossa querida comunidade, sonho de Deus e também nosso.
Preciso de tempo pra realizar o que está pendente.
Porque tudo chega... e tudo passa.

- O vento toca o meu rosto
me lembrando que o tempo vai com ele
levando em suas asas os meus dias,
desta vida passageira
minhas certezas, meus conceitos,
minhas virtudes, meus defeitos
nada pode detê-lo...
...o tempo se vai
mas algo sempre eu guardarei...
..o Teu amor, que um dia eu encontrei

os meus sonhos, o vento não pode levar
a esperança, encontrei no Teu olhar
os meus sonhos, a areia não vai enterrar
porque a vida recebi ao Te encontrar...

...nos Teus braços não importa o tempo
só existe o momento de sonhar
e o medo que está sempre à porta
quando estou com Você
Ele não pode entrar...

...o tempo se vai
mas algo sempre guardarei...
..o Teu amor, que um dia eu encontrei
- O tempo – Oficina

2 comentários:

Valdir Franca disse...

Manoel,
Queria te parabenizar pelo o blog. Eh verdade que o tempo passa, e nos voamos! Queria tambem o nome do livro de Yancey, podia ser?
Grande abraco

Adriana disse...

O tempo passa e as obras ficam!
Planos feitos e abençoados por Deus são perfeitos.

um abraço!