sexta-feira, 3 de abril de 2009

MANAUS - Trânsito Caótico?



Manaus está com um trânsito cada vez mais caótico. hoje estava dirigindo na hora do rush atrás de uma fileira interminável de carros em uma de nossas movimentadas avenidas. então fiquei pensando...congestionamento é uma triste característica de cidade grande que adquirimos por total falta de organização e por não termos bons projetos de urbanização.
é incrível que mesmo com a construção dos viadutos, das passagens de nível e tantas melhorias feitas, nosso trânsito continua sem uma solução, ao contrário, está indo de mal a pior.
Mas como podemos contribuir para mudar a situação? então enumerei algumas dificuldades que poderiam ser muito bem solucionadas se houvesse interesse real e respeito pelo cidadão amazonense.
Aqui venho a contribuir com o levantamento de 4 pontos que considero prioritários para nos aproximarmos da solução do problema.
1. Afunilamento das ruas.
Quase todas as ruas do centro de Manaus não tem continuidade. Você vai no fluxo normal até deparar com a interceptação abrupta da via, tendo que dobrar para outra. Não acontece isso? Então trafegue pelas Av.Getúlio Vargas, Joaquim Nabuco, Epaminondas, Djalma Batista direção bairro centro, Av. Tarumã, etc) E é aí que você verá que tudo se complica. As ruas não continuam e aí o centro vira uma... como diria um velho professor do seminário em Recife, uma “poli-esculhambose generalizada”. Ao meu ver, teria que se idenizar os proprietários dessas casas que obstruem as ruas e abrir pelo menos algumas das principais vias do centro que não tem saída. Visionário era o governador Eduardo Ribeiro no início do século passado, que idealizou uma avenida Eduardo Ribeiro que passaria por baixo de uma grande estação (onde é hoje o Instituto de Educação do Amazonas) e que daria acesso à periferia da cidade. Manaus seria outra...
2. Buracos e mondrongos.
O que se tem visto, inclusive em propagandas da Prefeitura é o a solução paleativa do problema em tapar os buracos e nivelar os mondrongos. Ora, pode-se até tapar o buraco, mas se não se consertar o cano por baixo estoura tudo de novo. E o povo é que sofre com tudo isso. É uma enganação fazer um buraco maior, jogar barro e depois cobrir com asfalto fajuto. Tinham era que fazer um sistema eficaz de esgotos (mas quem vai querer fazer obras subterrâneas que não aparecem e não dão ibope?), para depois retirar esse arremedo de asfalto que está aí e colocar uma camada consistente e que dure por muito tempo. Aí com certeza nossos carros não teriam mais tantos problemas de suspensão! Economizaríamos em muito em borrachas, amortecedores e bandejas.
3. Acessos entrelaçados
Acontece quando carros que estão saíndo de uma via que fica no extremo oposto e atravessam para entrar numa via no outro lado. Exemplo: os veículos que vem da André Araújo (Aleixo) sentido bairro-centro em direção a rua São Salvador. Vem carro vindo do bairro São Francisco que atravessam em direção à av. Recife e carros vindos do Aleixo em direção ao retorno em direção a São Francisco; e tem aqueles que vão direto em direção à São Salvador. Aí vira uma verdadeira trança de pitipi, nossa dança folclórica. Isso ocorre também na saída do viaduto Huberto Calderaro, quando os carros que vem da rua Belém se atravessam em direção a rua São Luís, fazendo um entrelaçamento de veículo desnecessário e perigoso.
4. Motoristas mau preparados (ou barbeiros de carteirinha), mal-humorados e impacientes.
Aqui o problema se agrava. Os motoristas de Manaus de um modo geral, incorrem nas seguintes dificuldades no trânsito:
= Problema sério em não andar na faixa. Se houvesse a instituição do Dia Municipal de Andar na Faixa, o tráfego fluiria muito mais livre a partir desse dia.
= Na saída no sinal verde, ter a mania de cortar desvairadamente todo mundo para dobrar no extremo oposto. Quem já não se assustou com esses malucos do volante?
= Mal costume de fechar o cruzamento e impedir aos que estão querendo passar para vias consideradas de menor importância. E eu ainda fico embasbacado em ver como não se tomam as devidas providências para solucionar esse problemão que se repete dia a dia?
= Ser lentos e morosos quando começa a dar o mínimo sinal de chuva.
= além de tudo isso acrescenta-se o fato do motorista manauara ser muito pretencioso, muito mal educado e muito impaciente, além de buzinar demais.
E não pensem que não sou daqui. Sou e amo minha cidade. Só não concordo no que ela está se tornando.
Se resolverem esses “pequenos probleminhas” acima expostos, o trânsito de nossa cidade seria um verdadeiro céu!
Enquanto isso não acontece, quem pode enriquecer e acrescentar novos pontos a essa lista por mim elaborada?

5 comentários:

markeetoo disse...

gostei do “poli-esculhambose generalizada” ehehehe.
acho que deveriam fazer o mítico, lendário metrô de superfície em Manaus ehehe. Cidades grandes precisam de um sistema de transporte coletivo eficiente. A gente vê em algumas cidades como são paulo, gente que tem carro deixando o carro em casa e indo trabalhar de metrô...

metrô é barato e rápido. Depender de ônibus é horrível. Eu fico as vezes quase 1 hora em pé só esperando o onibus chegar.

Janssem Cardoso disse...

Entra e sai político e nada realmente eficaz é feito para melhoiria do transito, ninguem tá nem aí!
A rua de casa tá toda esburacada e água escorrendo pela rua por falta de um sistema de esgoto que preste, já faz mais de mês que eu ligo pra Semosb e nada é feito dizem que vão mandar equipes pra arrumar a rua e té hj nada! fico pensando e percebo que é pura falta de vontade, bairros mais visados não ficam com buracos, todo mês tem neguinho tapando buraco lá!
A política cansa e me faz pensar que não adianta mais lutar!
Tenho medo da Manaus do futuro!

Micael Pinheiro Silva disse...

Análise perfeita. É uma bagunça que só fica pior. Tem que modificar mt coisa. Ainda mais querendo ser sede da Copa.

Lula disse...

Também concordo com o Senhor, andar pelo Centro de Manaus hoje em dia... aff... fora os ônibus lotados, tem dia que volto pra casa igual sardinha em lata....

Bruno disse...

Bicicleta: não pega trânsito, chega primeiro e é ecologicamente correta.