quarta-feira, 5 de agosto de 2009

DESCONSTRUINDO O MITO DA DOUTRINA VERDADEIRA



No tempo do seminário, um professor sábio e piedoso (O holandês Francisco Leonardo) sempre nos alertava com sua voz grave de barítono: “cada um de nós tem um herege em potencial dentro do coração, então, tome cuidado, irmão!”.
O problema é quando giramos a metralhadora giratória e julgamos àqueles que não comungam com nossa regra, e como hereges condenados à fogueira da inquisição de nossa visão estreita, os alijamos de nosso contexto, como que olhando para o nosso próprio umbigo como sendo o centro da verdade universal e o ponto fixo do universo do pêndulo de Foucaut no romance de Umberto Eco. E não vemos nunca que o herege pode estar do outro lado do espelho!
Concordo em número e grau com Rob Bell quando diz que doutrina deve ser abordada como uma mola de uma cama elástica, flexível e de fácil manuseio. Se tirarmos uma mola, ou se uma mola quebra a cama não perderá sua integridade. Mas quando tratamos de doutrina como um tijolo de um muro, duro e inflexível, ao depararmos com a inveracidade de uma doutrina ao se retirar o tijolo, ameaçará todo o muro (a fé objetiva) de ruir e desabar desastrosamente no chão de nosso pobre cristianismo.
Uma doutrina tem a função de adornar a fé cristã, mas ela não é essencial nem exclusiva de um seguimento cristão específico. Quando era jovem, ficava entrincheirado no meio do tiroteio da guerra de doutrina, ouvindo conversas infindas se o batismo da denominação A é mais bíblico que o da denominação B ou se fulano é pós-tribulacionista pós-milenista, ou se é supra ou infra lapsorianista (nem queira saber o que isso significa!).
Depois descobri que Deus desconhece completamente a maioria desse emaranhado semântico da igreja e deve observar com espanto quanta transpiração é gasta em assuntos tão irrelevantes!
Hoje, quando for batizar no Abrigo r15, posso utilizar o batismo por aspersão, por efusão, por imersão, por afogamento, etc, sem ter dor nenhuma na consciência!
Com o tempo, fui amadurecendo e vendo que a doutrina é muito importante, mas não se deve dar a ela a relevância de inspiração bíblica, status de livro da Bíblia ou aos doutrinadores, estudiosos, exegetas e intérpretes da Bíblia, nivelamento com os livros sagrados, por mais que sejam respeitáveis teólogos, santos estudiosos e dedicados, mas daí a deificação e assento junto aos escritores canônicos, como se vê em muitas denominações cristãs, isso já é demais!
Calvino, Armínius, Loydd Jones, Stott, Hendricksen, Shaffer e tantas outras “feras” deram sua interpretação pessoal das verdades imutáveis das Escrituras Sagradas. Mas não podemos passar daí. Mas penso que algumas confissões evangélicas os têm como intocáveis em seus posicionamentos teológicos. Muitos criticam e rejeitam veementemente as seitas heréticas e nocivas que não batem com seus estatutos internos, regimentos, postulados, credos e confissões que salvaguardam suas posturas doutrinárias, no entanto, ao rejeitarem esses pensadores por não rezarem na sua cartilha, acabam por cair na idolatria prática, quando põem os escritos de seus doutrinadores e as confissões de fé de suas igrejas em pé de igualdade com as Escrituras, quase como uma Hellen White e um Joseph Smith da vida, ou como uma psicografia disfarçada cultuada reverentemente.
Como sei disso? Bom, é só tentar criticar ou mexer em um só de seus postulados, que perceberemos imediatamente o quanto eles são sacramentos intocáveis. No mínimo, tu levas um vigoroso chute no traseiro!
Diante de tudo isso exposto, afirmo que é função profética da igreja da atualidade e dos que a lideram, entender a epistemologia dos tempos (o paralelo que existe entre o momento que vivemos, a sua evolução filosófica, os costumes e a cultura que estão em constante transformação ao nosso redor, em relação à verdade do Evangelho imutável de Jesus) e ousar reinterpretar a Bíblia para os nossos dias, na dependência do ES, e fazer compreender Sua mensagem pela geração que vivenciamos, como se nossos contemporâneos a ouvissem pela primeira vez, com a mesma vivacidade com que foi pronunciada pelos primeiros cristãos.
A Bíblia é auto-explicativa. Jesus disse que o ES nos ensinaria, e nos levaria à compreensão de toda a Verdade. João por sua vez, nos diz que todos nós (toda a igreja) temos a unção do Espírito para entender e discernir a Palavra de Deus, sem necessidade que ninguém nos explique.
Conversando em um café da manhã em Manaus com o Caio Fabio concordei com ele quando disse em meio à conversa, que a chave hermenêutica das Escrituras é o próprio Jesus e ninguém mais. Todas as palavras adicionais, interpretações, exegeses e doutrinas devem passar pelo crivo do que Jesus falou, e se está de acordo com o espírito do que Ele disse e fez conforme Seu Evangelho. O resto é cipoal semântico, onde muitos se perdem e aturdidos, se distanciam da fonte original da Vida.
Apoio a posição de Brian McLaren quando fala das diferentes maneiras com que Jesus tem sido visto nas várias tradições da igreja em suas multifacetadas manifestações e como devem buscar a unidade através da presença viva de Cristo. E embora essa presença tenha sido experimentada de maneiras múltiplas, ela identifica a centralidade de Cristo como a única força unificadora num labirinto interminável de tradições e crenças.
Finalizo, reafirmando alguns princípios norteadores que considero importantes.
= Devo rejeitar sim, todas as interpretações e doutrinas estranhas ao Evangelho de Cristo e que ofendam a essência do Ensino de Jesus.
= Penso que devo ter um padrão de preceitos e crenças com as quais minha comunidade deva se basear, mas sem controlar o fluxo de reações diversas, asfixiando-as com preceitos humanos descartáveis.
= Devo abordar os opositores com amor incondicional, inteligência e habilidade, fruto da intimidade que devo ter com as Escrituras, e da obrigação de manuseá-la com a destreza de um espadachim que utiliza bem sua espada contra seus adversários.
Não nego a Sã Doutrina (O que Jesus ensinou e toda doutrina que se encaixe nisso) na qual fui ensinado e claro, a reafirmo com alegria em minha confissão de fé prática, em estudos e mensagens.
= Mas também quero usar da liberdade consciente que me foi dada em Cristo Jesus para obter unção, poder e criatividade para usar a doutrina, sem me escravizar a ela. Senão isso seria idolatria. E idolatria, Deus condena severamente.

9 comentários:

MACLima disse...

A diversidade das doutrinas, digo, daquelas que não ferem os ensinamentos de Jesus, aconteceu e continua acontecendo por alguns motivos. Dentre eles, um é muito importante. É necessário que sejamos vários (ou variados) para que a Igreja seja um só corpo, em um só caminho, em uma só fé... É a velha história do casamento. Homem e mulher passam 20 e tantos anos sendo criados por pais diferentes, em costumes, culturas e até mesmo países diferentes e resolvem colocar todas essas diferenças debaixo do mesmo teto, dia após dia... Eles só serão um quando ignorarem/suportarem/admitirem as diferenças em favor do objetivo maior: serem uma família.
Assim, se quisermos ser parte da Família, do Reino, temos que nos apegar ao que realmente interessa. Nossas diferenças não poderem ferir este objetivo, nem nos ferir.
Esta foi só uma opinião.
Seu texto está excelente.
Abraços,
Marco.

Gui disse...

Bom Texto pastor!
Se o senhor me conhecesse em outras épocas eu diria q tinha escrito pra mim.
Já fui um destes q briga e defende a todo custo as doutrinas da fé reformada.
No Abrigo, Deus me levou ao Seu consutório e me deu a vacina do Amor e da compreenção, da piedade e do altruismo.
Mas ainda há muitos carascos sem piedade q andam nesse caminho d idolatria.
Q sejamos áptos à combater somente pela causa do evangelho e de mais nada.

Edjane disse...

Pastor, gostei do texto me fez entender muitas coisas..
obrigada!

AlyCampos disse...

Quero dizer que os dois textos desta série, este e o anterior, são muito edificantes. Esta série tem sido chibata no balde. Continuamos a espera de mais. Um abraço.

Micael Pinheiro Silva disse...

Doutrina deve ser encarada como a interpretação do estudioso, que deve nos guiar acerca do conhecimento da verdade. Mas de forma alguma deve ser mais importante que a verdade.
Muito bom. Que Jesus seja a nossa base, nossa fonte e nosso filtro.

Danilo Fernandes disse...

Nossa camarada!

Adorei seu blog... Como é que eu não conheci antes, risos!

Tem uns textos que até queria ter escrito!


Queria convidar você para conhecer o meu blog, o Genizah que horas é pirado e engraçado, horas é exaltado e sério, mas é super do bem e tem como regra levar o Evangelho da Liberdade Verdadeira e a Santa Subversão de Jesus ao mundo egocêntrico e perdido nos seus valores! E, ainda dando tempo, aproveito para tirar uma onda com este pessoal que anda explorando a fé das pessoas e ainda dizendo que são cristãos... Ops!

Por minha vez, já me tornei seu seguidor.

Abraços em Cristo e Paz!

Danilo

http://www.genizahvirtual.com/

markeetoo disse...

Essa é uma área frágil onde muitos discordam. A maior parte da resistência das pessoas aos ditos "emergentes" é por abrirem para o diálogo sobre certas doutrinas, o que muitos ortodoxos consideram um absurdo e perigoso.
Eu acho que o diálogo deve sempre ser bem-vindo, porque se não se dialoga, quem tem questionamentos tem que sufocá-los e uma hora explode. Se uma interpretação de certo tema é tão boa, no diálogo ela será aprendida e entendida.
Belo texto.

Marilena Silva disse...

A maioria de nós já aprendeu muito sobre doutrina e já fez "cavalo de batalha" por algumas coisas... Louvo a Deus por tantas coisas que Ele tem nos ensinado, mas tb peço que nos dê humildade, misericórdia e amor, pra que saibamos tratar as pessoas que nos julgam. Que antes de tudo aprendamos a amar.

Anônimo disse...

a fe sem as obras de nada valem-digo que crer que jesus como o fiho amado de Deus não basta, por que temos que nos arrepender na forma que ele nos determina pela sua infalivel doutrina, que muitos tem torcido para propria condenação, com doutrinas de homens, falam do que não sabem, e ensinão o que não compreende, buscando riquesa humana, desviando alguns da fe, e como mercenarios são, por que são assalariados, ganham para pregar, para anunciar fazem cursos, teologia, leem a bibria de capa a capa e não conhecem a Deus, por que se cumpre as profecias.
quantas Igreja ja se tem levantado, quanta doutrina diferente da outra, mas assim como o esposo(jesua cristo) vira buscar a sua esposa(IGREJA), as palavras do sabio salomão serão lembradas aqui quando ele disse em cantares:sessenta são as rainhas, e oitenta as concubinas, e as virgem sem numero, mas uma é a minha pomba, a minha imaculada,e a mais querida daquela que lhe deu a luz.
so ha um caminho e so um pastor, por que Davi sendo governador de uma nação não se colocou com pastor, mas disse: O Senhor é o meu pastor.................
voce que le este texto precisa se converter, por que não demora o senhor vira, e quem não estiver acertado com a verdade perecera, e nele havera grande desespero, examinai as escrituras e cuideis de ter a vida eterna