sábado, 29 de agosto de 2009

O DIABO E O INFERNO - Colaboradores da "santidade" da igreja de hoje?



Como pode personagens hediondos e tão indesejados, habitantes dos bastidores sombrios das regiões espirituais do mal, se tornarem coadjuvantes do culto e da santidade da maioria das igrejas da atualidade?
É difícil de acreditar, mas quando duas retas aparentemente paralelas se inclinam levemente em seu vértice, é possível que em um ponto distante elas se tanjam e se toquem inevitavelmente.
Não nos enganemos. A persuasão do Espírito Santo, o constrangimento da graça escandalosa, e a força irresistível do discipulado de Jesus, o cristianismo sem religiosidade, sem igrejismo e sem legalismo, adicionado a proposta de uma vida cristã relevante, marcada pela liberdade consciente são bênçãos garantidas pela Palavra de Deus e levam o cristão a buscar uma vida melhor, de santidade e utilidade no Reino. Esses são temas que normalmente deveriam constar nos sermões pregados nas igrejas de hoje.
Mas infelizmente na prática, não são esses os elementos fundamentais que promovem a busca de uma vida de santidade por parte dos freqüentadores da maioria das igrejas dos nossos tempos.
Pasmem e confirmem. O medo obsessivo do diabo e de suas manifestações, o pavor de suas retaliações, as terríveis ameaças sobre quem revela fraquezas sexuais ou de qualquer tipo, a doutrina dualista de causa e efeito, Deus severo, punições severas, pecou, levou, e o pavor irracional de ir para o inferno são os principais temas mais utilizados em mensagens e sermões intimidadores pregados na igreja e através da TV. Isso nos leva a crer que estamos vivenciando hoje, uma total inversão de valores.
Conversando essa semana com uma pessoa no msn, ela me falou que ao revelar que estava fazendo jejum em solidariedade a uma amiga que estava passando por uma situação muito difícil, a própria amiga a alertou apavorada a não fazer isso: “Não faça isso! Você não pode jejuar, por que se você jejuar, o Diabo vem com tudo e te pega!”.
Essa ambiência de medo do inimigo é muito comum nas igrejas de hoje. Nesses ajuntamentos não se fala de outra coisa! O resultado é que em vez do cristão estar na vanguarda, vive entrincheirado na retaguarda. Em vez de estar na linha de frente, está escorado, na última fileira. Na igreja, pisa a cabeça de tudo que é demônio, entretanto, individualmente, quando se vê lá fora, está sempre oprimido e derrotado diante do mínimo confronto.
O salmo 23 e sua teologia sobre batalha espiritual, nos pondo à mesa do banquete na presença do Rei, recebendo óleo perfumado da alegria na cabeça e tendo a taça do vinho da liberdade sempre cheia, estando os inimigos à distância, nos espreitando, mas imobilizados pela palavra do rei, são doutrinas estranhas a esses pregadores terroristas que impingem medo e terror no meio da congregação.
Se fosse proclamado a uma multidão incontável que freqüenta igreja hoje que não existe mais Inferno e o diabo nada mais é que um mito, que tudo isso foi um arrematado equivoco dos teólogos, uma grande e expressiva maioria abandonaria a igreja na hora! Porque as pessoas lotam as igrejas, não por amarem a Jesus como fruto de O conhecerem como amigo de caminhada, não por constrangimento do coração, mas por interesse egoísta em busca de bênçãos, prosperidade financeira, para se livrarem das dívidas, ou por medo de serem presa fácil do inimigo, e conseqüentemente o pavor de ir pro inferno.
Parte disso é culpa dos líderes que não equipam seus membros para terem um relacionamento vital com Jesus, o que mudaria radicalmente a face da história da igreja atual, por que é o amor incondicional, o quebrantamento individual e o poder do ES operando de dentro para fora que gera uma vida de santidade, como resultado da simbiose desse relacionamento. E o respeito à individualidade e as diferenças, os esteios que estabilizam a construção dessa igreja.
Fora isso, é imposição de regras, e isso, diz Paulo, por mais que alguém se esforce, e tente viver um rigor ascético do não pode isso não pode aquilo, não tem valor algum contra a sensualidade, embora tente levar na íntegra, o que Davi falou de desejar morar todos os dias na casa do Senhor! Quanto mais ora como regra, jejue como obrigação, vigie como dever, mais desapontamento e frustração! Esse tipo cristianismo desaba mais cedo ou mais tarde, como frágil castelo de cartas. Por que não vem da espontaneidade do coração e sim da determinação da liderança da igreja.
A poderosa mensagem das Boas Novas do Evangelho é que você pode viver sem essas peias, sem as regras que te fazem um número estatístico, e pular da esteira de soldadinhos de chumbo para viver o Evangelho da liberdade consciente. Aquele que Jesus pregou e viveu. E por isso que essa igreja baseada em regras está fadada à bancarrota, pois está diametralmente longe do ideal do que Jesus planejou sobre Sua igreja.

5 comentários:

AlyCampos disse...

Realmente este assunto ainda está dando muito ibop nas igrejas, e de alguma forma gerou uma geração que entrou por essa porta, mais louvo a Deus porque tem nos resgatado dia a dia. Quando começamos a ver mais claramente atraves da vida de Jesus, é que esse medo y essa obediência medrosa, não amorosa, fica mais evidente.

markeetoo disse...

Eh rapaz, infelizmente é isso aí.
Mas isso é continuidade do que rolava na Idade Média. O controle através da intimidação.
A igreja intimidava a galera pra assim poder ter como "manipulá-los".
As regras e proibições sempre são o caminho mais fácil.
A liberdade consciente é subjetiva, difícil de medir e difícil de domar...

Edjane Macedo disse...

Qdo não se tem um relacionamento verdadeiro com Deus acredita-se que o demônio está só esperando uma brechinha para invadir e se apropriar da vida da pessoa, dia desses Isabella não parava quieta com o controle mudando os desenhos, daí perguntei: pq vc decide logo o q vai assistir? Pq tá passando só desenho do diabo...valei-me!Tomei foi um susto, mas foi alguém de uma outra igreja q falou para ela q nos desenhos estavam demônios disfarçados, agora me diz, não seria mais facil ensinar sobre o amor de Jesus para as crianças e ensinar q ele é maior q tudo isso do q ficar ensinando a eles temer o diabo?
Não vai longe, em QUALQUER igreja que vc entre falam q se vc não prospera, não é feliz é pq vc dá brecha... Infelizmente é assim, eu fui ensinada assim, mas a cada dia venho aprendendo que o relacionamento verdadeiro com Deus é bem maior mais profundo que essas asneiras todas... Louvo a Deus por isso!

Marilena Silva disse...

Amo a frase de S. Francisco de Assis que diz: "Ama a Deus e faz o que quiseres". Cada dia me convenço que isso é muito real. Pois se realmente eu estiver amando a Deus viverei para agradá-lo.

Rodrigo Souza disse...

Olá pr. Manoel! Seu blog está na minha página de favoritos há algum tempo. E quero dizer-lhe que é muito bom sempre passar por aqui. Tenho um carinho muito especial pelo AbrigoR15, uma comunidade tão agradável que dá vontade de se abrigar. Quanto ao post. Faço menção às palavras de um outro Manoel, o Martins: "Me acostumei tanto com a prisão, que a liberdade é loucura."

Um forte abraço.
De um modesto conspirador.