segunda-feira, 30 de novembro de 2009

BOA MORTE PRA VOCÊ!



A morte é tema central na Bíblia. Não somente por se tratar de uma velha inimiga do homem, e por ser o portal misterioso que se abre para a eternidade quando termina o labor terreno, mas como modus vivendi natural da igreja e para aqueles que já sabem pra onde vão após a morte e encarnaram o estilo “noiva cadáver” aqui na terra, nosso prolongado campo de provas.
Aí tudo que se faz, constrói e empreende estanca abruptamente, pra depois, laborum meta, como se lê no frontispício do cemitério São João Batista, somos trasladados inexoravelmente para essa passagem, tele-transportados pra vivermos um outro tipo de existência, post mortis.
A morte geralmente tem sido o “bicho-papão” que gera medo e dúvida por séculos de história humana, e fugimos dela, como o Drácula foge da cruz, mesmos os ditos cristãos desse tempo de teologias da prosperidade a qualquer preço e promessas de vitória e conquista nas coisas que tangem a vida material e financeira aqui na terra. Hoje em dia, na igreja, ninguém quer saber desse papo de morrer, tanto literal, quanto simbolicamente. Pega no verde, bate três vezes na madeira! ou como diriam os que se julgam os "super-espirituais", está amarrado e repreendido em nome de Jesus!
Jesus disse que era a luz do mundo, e falou que quem está em trevas não sabe pra onde vai. Então, parte do pavor da morte, advém do fato de não conhecermos ainda a luz de Jesus, que disse que jamais andaríamos nas trevas, pelo contrária encontraríamos a luz da vida, e que se morrêssemos, ainda que mortos, viveríamos, pelo poder da ressurreição dentre os mortos.
Na teologia prática de Jesus e Paulo, a morte deve fazer parte normal do dia-a-dia de quem quer seguir a Jesus. Tomar cada dia sua cruz, é uma forma de morrer pra si mesmo e de dizer que decidimos matar nosso egoísmo e deixar o caráter de Cristo aflorar em todos os espaços e decisões da vida.
Quando fui com o Markito e a Ninna no Ajuntamento das Tribos desse ano, percebi algumas expressões curiosas durante um batismo na piscina do sítio onde estava instalado o congresso. O clima era de uma alegria esfuziante, e cada vez que um novo membro era submergido e depois emergia das águas, a galera que se punha ao redor gritava: “já morreu! Já morreu! Gostei daquilo...então percebi que a igreja quase não celebra esse tipo de morte. A razão é mais que simples: ninguém quer morrer. Fala-se muito nesse texto de Jesus e sobre matar nossa natureza terrena, de como é contundente, que é um símbolo que deve ser levando em conta, mas todos preferimos exibir nossos egos como fraturas expostas e deixar nosso extinto selvagem “vivinho da silva”.
Pra mim, essa é a razão da igreja estar como está: cheia de soberba, acomodada aos padrões do mundo e entrelaçada com os valores materiais. O fato da igreja insistir em continuar viva gera toda a fogueira de vaidades, egoísmo, concorrência, intolerância, legalismo, religiosismo, e milhares de feridos em nome de Deus, fruto de abusos de autoridade absurdos por parte deu uma liderança cheia de patologias e idéias megalômanas.
A igreja dos nossos tempos não quer morrer. Assim, nem de longe chegamos perto do padrão da Palavra de Deus. Porque se tão somente decidíssemos morrer, o vale escabroso da indiferença seria iluminado, as fendas abertas dos ressentimentos seriam pensados, e os canyons abissais dos preconceitos seriam aterrados.
Aí sim, poderíamos celebrar com alegria a morte, e a vinda de um poderoso avivamento da parte de Deus, sarando nossa terra, trazendo a chuva atrasada para regar a terra ressequida do coração e fazer descer o conhecimento de Deus sobre toda a terra, como as águas cobrem o mar.
Então, boa morte pra você!

2 comentários:

markeetoo disse...

É legal e importantíssima essa questão. Morrer é o centro da vida cristã. Morrer todo dia anula todo tipo de preciosismo, de evangelho de auto-ajuda, de teologia bizarra da prosperidade.
Que aprendamos a morrer diariamente pra que asssim vivamos de modo digno!
O mundo já tá cheio demais de egoísmo e tamo do jeito que tamo. Alguém precisa começar a viver o outro lado da moeda.

Marilena Silva disse...

Obrigada, pra vc tb. Que aprendamos de verdade a deixar Cristo viver em nós e pra isso é preciso morrer.