quarta-feira, 31 de março de 2010

A LIBERDADE DA SIMPLICIDADE



Não existe Evangelho verdadeiro nem igreja genuína sem simplicidade. Para justificar tão radical assertiva, focalisei o olhar para nosso líder maior, Jesus de Nazaré (alocado nessa cidade menosprezada no norte da Palestina, situada na desprezível região da Galiléia) e seu nascimento em um curral em Belém da Judéia, na mais extrema pobreza.
Jesus era simples e seus seguidores deveriam ter a imagem da simplicidade gravada em suas vidas, como reflexo de seu Mestre maior. Ele mesmo chegou a dizer:
“As raposas tem seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.
Sem teto, sem cama e sem travesseiro, Jesus nos mostra o caminho da modéstia e da liberdade plena na simplicidade, quando asseverou que os pobres de espírito, e não os ricos presunçosos ou os líderes detentores do poder religioso são os que se depararão com os portões do céu escancarados e entrarão no Reino dos Céus pelas portas.
Isso nos remete ao fato de quão pretensiosos somos quando insistimos em exibir uma vida consumista, ou buscamos um estilo de vida burguesa locupletada de luxo e excessos. Quando agimos assim, é claro, estamos mostrando ao mundo o quão distantes estamos do padrão bíblico de simplicidade defendido por Jesus em palavras e ações concretas.
Quando despediu setenta de seus discípulos em uma missão evangelística, Jesus recomendou que cada missionário deveria levar uma marca identificadora em cada lugar por onde ia: a urgência da missão leva à simplicidade despojada, que não se deixa atrelar a nada nesse mundo:
“Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias, comei de tudo que vos oferecerem...”.
Ele disse com todas as letras para não acumularmos tesouros na terra e sim, nos céus. Ou seja, com tudo isso Jesus nos ensina que em nossa peregrinação por esse mundo, não há tempo pra acumular bens ou criar impérios pessoais, pois somos peregrinos de passagem, nosso evangelho é maltrapilho (Brennan Manning que o diga) e nosso coração é de romeiros despidos de ganância, arraigados somente à vocação para as alturas, para as coisas lá do alto, de onde provém nossa verdadeira cidadania.
Jesus via a igreja como um organismo latejante, cheio de vida pulsando dentro de um corpo, ou como uma família aconchegante com seus membros entrelaçados pelos vínculos indissolúveis do amor, e não como uma construção fria, um prédio de proporções anômalas cheio de líderes poderosos e membros eternamente dependentes emocionais dos profissionais da fé.
Jesus disse que é mais fácil um camelo entrar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus. A mesma regra hermenêutica se aplica ao contexto da igreja. EM JESUS NÃO HÁ TOLERÂNCIA PARA A RIQUEZA OSTENSIVA. Os ricos, porém, podem ser salvos, SE cultivarem um verdadeiro coração peregrino, destituído de ganância e demonstrarem uma disposição cheia da generosidade que se dá incondicionalmente.
A riqueza ostensiva foi a causa da reprimenda severa que Jesus fez ao pastor e à igreja de Laudicéia no livro de Apocalipse. O pastor daquela igreja dizia com arrogância:
“Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma”.
Jesus, nauseado com tanta hipocrisia, arranca-lhe a máscara e responde:
“Porque és morno, e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te de minha boca”.
Aí Ele lança o arremate final:
“E tu nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu".
Infelizmente, esse é o triste quadro que vemos hoje.
Catedrais suntuosas, pastores vendidos, exibicionistas, líderes soberbos incorrigíveis, vampiros insaciáveis.
Esses Sistemas humanos engendrados pela ganância irrefreável, totalmente distanciados do modelo original proposto pelo Evangelho,com toda certeza hão de receber as mesmas palavras de Jesus como duro veredicto:
Igrejas ricas e abastadas! Mas pobres, Infelizes, cegas e nuas!
Jesus quando fundou Sua igreja disse: “edificarei minha igreja,” e Paulo conceituando igreja, disse que a igreja era coluna e baluarte da verdade. Infelizmente, muitos seguiram o texto ao pé da letra, pensando em edificações literais, construíram impérios e conglomerados da fé, esquecidos do projeto primordial das singelas reuniões de gente simples, das famílias alegres, partindo o pão de casa em casa, bem antes do imperador construir seus templos magnificentes.
Hoje temos milhões de igrejas, mas pouquíssimas são realmente libertas pela simplicidade. Jesus, o Senhor da igreja, O homem simples por excelência, sempre fugia de toda forma de publicidade ou marketing de Si mesmo. Esse sim, deve ser imitado e seguido.

7 comentários:

Tuco Egg disse...

Muito bom Manoel. Olha que Manaus é uma cidade com cada megatemplo! Fiquei espantado qdo passei por aí.

Agora que já concordei vou fazer propaganda e marketing de mim mesmo :-). É que escrevi uma parábola da igreja rica na Trilha. Se quiser olhar lá: http://atrilha.blogspot.com/2009/06/avivamento.html

Meu. Que mala isso. Desculpe, mas não resisti.

markeetoo disse...

É triste ver o desvio do caminho de Jesus no evangelicalismo de hj.
Precisamos nos desentoxicar dessa sujeira que tem nos afastado do ideal.

AlyCampos disse...

Essa série ta sendo muito massa, pra que essa mensagem real do reino nos siga impactando, mudando, restaurando.. o material consome muitas almas por ai e distancia a igreja do caminhoa ao lado de jesus..precisamos voltar a comer da poeira dos passos de jesus!

Marilena Silva disse...

Muito bom o texto. Real e confrontador. Que bom que temos visto em alguns lugares pessoas se levantando e querendo viver esse evangelho simples que Jeus ensinou.

Gui disse...

Simplicidade nos dias de hj é um verdadeiro desafio, até mesmo pros cristãos, pois vivemos num tempo de extrema "adoração" ao poder, ao status, a tecnologia, aos equipamentos de última deração, ao que é top de linha, e a sociedade não se contenta com a vida simples.
Isso se reflete em vários aspéctos do dia-a-dia, inclusive nessa idéia de supertemplos, e da teologia da prosperidade.
Reforma e avivamento, necessidades urgentes!!!
E vamo continuar fazendo a nossa parte.

mimO de mulher disse...

... sempre nos chamando pra realidade de JESUS!
gostaria que o SENHOR viesse trazer, uma palavra aqui em BSB. ta um nojo de arrogancia evangelastica

goldenus disse...

É difícil ver um líder religioso pregar a humildade em prol espiritual sem querer antes disser aos seus discípulos que eles devem ofertar o pouco que ganham a fim de terem uma vida mais rica e saudável. Calma, não me leve a mal, eu não discordo da idéia central do Pastor, ao contrario, eu acredito em religião e religiosidade simples – e porque não- humilde.
Eu estou feliz por ver que o texto todo se trata de uma filosofia onde a humildade é empregada a fim de fazer o povo religioso pensar em seu estilo de vida. É claro que temos muito mais do que precisamos, é claro também que temos por que merecemos e trabalhamos pra isso, logo a minha idéia central não gira em torno do povo religioso, mas sim dos seus lideres e templos.
Me considero um verdadeiro peregrino religioso, e já vi igrejas onde a simplicidade não passa nem perto. Prédios ricos em arquitetura e em ornamentação parecem serem até da idade média onde tudo era ornamentado em ouro, e o culto? Bom, o culto era um verdadeiro show a parte com musicas, luzes e demonstrações de poderes espirituais que fariam até mesmo Jesus parecer um aprendiz de mágico. De fato, não tem –aparentemente- nada errado em uma igreja ser tão rica e bem preparada, mas será que é preciso disso tudo para adorar, ensinar e agradar a Deus? E vejam bem, o maior dos problemas quanto a algumas igrejas é a ênfase na promessa de uma vida rica. Imagine, quem não quer ser rico? –eu quero. Mas o evangelho não é sobre riqueza, mas sim sobre virtudes e vender esperança deveria ser um crime. Temos exemplos de igrejas onde o líder diz, oferte o máximo que você puder e logo Deus vai lhe retribuir em dobro, logo a pessoa passa a usar a igreja como uma casa de penhores espiritual onde ela deposita uma quantidade em troca de um milagre, é como uma lotérica celestial.
Como dito no texto do Pastor Manoel, Jesus era uma figura fascinante pela sua simplicidade, naquela época não existiam luzes ou toda a pirotecnia que temos hoje- logicamente. Mas, existia o luxo da própria época e vocês amigos de fé imaginam Cristo em cima de um altar cravejado em ouro e em pedras preciosas, vestindo uma túnica da seda mais cara e pura, falando dentro de um templo rico, dourado e perfumado para milhares de pessoas?
Creio que não, pois o Cristo a qual seguimos, amamos e –acima de tudo- admiramos era simples, direto em sua mensagem e puro quanto as suas intenções. Ele não se abrigava em templos, mas ensinava aonde precisassem e isso inclui montanhas, desertos e qualquer outro local onde o povo precisava ouvir sobre a palavra de Deus. As pessoas se acumulavam e se cotovelavam para ouvir, ver e muitas vezes para ao menos tocar naquela pessoa sábia e simples que lhes falavam.
Concluindo, o único problema –em minha opinião- em um culto muito ornamentado, brilhante e impressionante é que o povo pode perder o real foco da coisa, a palavra de Deus, seus ensinamentos, reflexão e prática. Além disso, um líder religioso deve se preocupar com a saúde espiritual do seu povo, porque se ele só enfocar seus ensinamentos em promessas consumistas o povo vai buscar a Deus não para acumular tesouros nos céus, mas sim, para esbanjar aqui na terra. Essa é a minha opinião.