segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

amigo bom pra cachorro

"O cão é o melhor amigo do homem”. Isso é verdade e posso comprovar a veracidade desse ditado popular. O Mike, nosso cachorro, é prova incontestável disso, afinal, concordo com a teologia de C. S. Lewis que disse que se tratarmos bem os animais, eles nos acompanharão ao céu e participarão da eternidade, junto concosco. o Mike é querido como se fosse um membro da família.
Ele chegou em nossa casa cerca de dez anos atrás. Nessa época estávamos procurando um cachorro para substituir o anterior, que havia se acidentado, e nessa procura fomos (eu e o Markito) à casa do “tio Afonso” para ver um boxer que estava passando um temporada por lá até encontrar dono. Quando adentramos no pátio da casa e o Keniê abriu a grade do canil, o Mike veio em disparada em nossa direção abanando freneticamente o rabinho cotó, como que acometido de amor à primeira vista (ou ao primeiro latido), arfando e babando, como que dizendo: “me leva com vocês!” Não deu outra, levamos o Mike para casa.
Mike é um boxer, pêlo marrom, porte garboso, cujos donos eram missionarios americanos, vindos de Hollywood, portanto, diretamente importado dos EUA, treinado para receber ordens como sentar, deitar, e ficar parado. Logo se tornou atração da casa. Uma das características dessa raça é a emotividade, um apego emocional aos donos, e isso se viu logo quando saímos pela primeira vez por poucos dias e ele ficou só em casa, na volta, o encontramos deprimido e abatido pela tristeza. Por outro lado, é um cão alegre,“bem humorado”, adora correr e fazer festa para todo mundo, e quando menos se espera, lá vai uma lambida generosa, farta de saliva canina. A principal brincadeira com ele era mostrar para as crianças e curiosos a obediência a certos comandos. Se dissessem, Senta! Ele sentava. Fica! Ele ficava parado. Deita! ele deitava. Dava-se uma boa distância, aí se ordenava: Vem! E ele vinha disparado, rodando as patas, patinando no ar, igual o Scubidu no desenho animado.
E assim, passaram-se os anos, sempre presente na casa, indo a retiros e passeios com a gente, em reuniões de oração ou de louvor, ele ficava no meio, sentado, todo “convertido”, prestando atenção, ou como sempre acontecia, se esparrramava no meio de todos, que logo ficavam admirados com o furor de seus roncos e com a nuvem nauseabunda de seus peidos estonteantes.
Hoje levei mais uma vez o Mike ao veterinário. Já tenho feito isso há algum tempo, ora para sarjar tumores das dobraduras das juntas das patas que calejam e formam feridas, ora para curar viroses.
Depois de 12 anos de vida, hoje ele se restringe a dormir, a comer, e a beber água, seus passa-tempos prediletos. Esse círculo vicioso se repentindo, mas vez por outra ensaia arrobos de ferocidado, cumprindo seu papel de cão de guarda, latindo e avançando nos carteiros, motoboys e lixeiros que passam na rua, como fazia nos tempos áureos de sua juventude.
No dia 31 de dezembro (de 2010), saímos para o reveillon, nossa reunião de passagem de ano do Abrigo R15. Na volta, notamos que ele estava doente, amanheceu o dia já prostrado, sem ânimo pra nada, vomitou a casa toda, urinou sangue. Não sei se foi a dosagem emocional do estouro dos fogos de artifício, ele aqui, sozinho, tremendo de medo, que o levou a um estado estressante, que o deixou assim, inativo, sem querer comer, só dormindo numa espécie de torpor irrequieto.
Hoje, 3 de janeiro, ele passou o dia na clínica tomando sôro, fazendo exames. Agora está aqui do meu lado, dormindo, pra variar.
Ele já está nos altos dos seus 12 anos de existência. Já é um ancião, na idade canina. Se encontra no limear do tempo previsto para sua raça. Mas todos estamos na expectativa de que se recupere logo. Que volte a ser o mesmo Mike de sempre, bonachão e tranqüilo.
Reaja amigão! Você é guerreiro, e vai superar mais essa!
Afinal, és nosso cão amigo, e mais: Nosso fiel companheiro e querido por toda a família.

7 comentários:

Marilena Silva disse...

É muito triste vê-lo assim... nem biscoito canino ele tá querendo. Dá uma dor olhar nos olhos dele... parece que ele quer dizer alguma coisa.

Micael Pinheiro Silva disse...

Na virada do dia 1º pro dia 2 eu fiquei deprimido ao olhar pra ele. Parecia que estava nos últimos suspiros. Mas felizmente hoje ele já levantou e pediu pra sair, beber água, ainda que sem o entusiasmo de antes.

markeetoo disse...

Imaginem como me senti sabendo que ele tava mal enquanto eu estou aqui em BH.
O Mike é meu companheiro. Quantas vezes dormi no chão abraçado com ele. Quantas vezes fiquei brincando horas com ele, ou simplesmente fazendo carinho até ele dormir. Quantas vezes gargalhei de suas reações um tanto quanto inusitadas quando se trata de um cachorro. Quantas vezes senti orgulho quando disseram que eu e ele éramos parecidos ehehe.
Aguenta firme amigão! Espero que não seja dessa vez que vc vá pro "céu dos cachorros".

Telly ♥ disse...

No mês do meu aniversário eu tive a triste notícia que minha cadela estava muito mal e que a morte era certa, orei tanto para que isso não acontecesse e nisso eu percebi o quanto a amo! Ela é resultado de uma pastor alemão belga com vira lata, sim, essa é a minha Hábya.
Era comovente vê-la no soro, no medicamento de ataque e com faixas nas juntas. Minha família orava por ela incessantemente, pois a pequena já nos acompanha a marrommenos 12 anos. Bem, como pode ser percebido, as histórias são um pouquinho parecidas, e espero que o desfecho da recuperação do Mike seja igual ao da Háby, pois hoje ela recuperou a saúde e está bem demais! Voltou a ser a festeira de sempre.

Incrível como Deus pode ter dado um presente tão quentinho de amor para nós! Só quem tem um pet sabe o valor inestimável que ele representa no nosso dia a dia.

Bjos a todos*

mix disse...

ai que texto emocionante sobre o Mike.
Todos sabem que eu não sou a maior fã dos cachorros, né? Mas seria estranho demais ir pra casa de vocês e não vê-lo lá. Ele já faz parte da família faz tempo!

Lidi Oliveira disse...

Primeira passagem pelo blog e vejo que temos muito em comum... paixão por saputi e por cães. Espero que o Mike se recupere, pois sei bem o quanto é difícil ver nossos amigos pet doentes, no fim do ano minha Pandora também nos pregou uma peça, adoeceu e depois emprenhou... agora é só felicidade, ela saudável e 12 filhotinhos pela casa... vai dar tudo certo pra você também.

Edjane disse...

Espero q ele estaja bem hj, lendo esse texto lembrei da minha cadelinha, a Pucca, ela tem 1 ano mas é tão companheira, engraçado q a conheço pelo olhar, qdo quer colo, qdo quer comer qdo tá triste..
Melhoras para seu amigão!