quarta-feira, 17 de agosto de 2011

porca lavada

 Tenho observado estarrecido através da TV e algumas revistas, o derrame de lama que tem subido do bueiro fétido da política partidária em nossa pátria amada.
E parece não haver nenhuma luz no fim do túnel, e nenhum homem honesto ou agrupamento de pessoas comprometidas com a verdade que se levante verdadeiramente preocupado com as necessidades do povo, e que seja ético e moral para reter a avalanche de lama podre e excremento que supura da tubulação subterrânea da corrupção da política brasileira. Isso vem de todos os setores, que se multiplica em toda a gigantesca rede de encanamento que se espraia pelo Brasil que advém do planalto central, a grande fossa.


Foi então que pensei nessa analogia do Jesus, a da porca lavada.
Primeiro, que se diga que a Bíblia decreta a falência moral de todos os homens. Não há nenhum justo, nenhum sequer... Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus. A natureza do homem é predatória, perversa.  Tudo que ele toca degenera e se corrompe.
E não é só no setor político que acontece isso, mas em todo meio onde vive, a vida morre, as árvores secam, os relacionamentos se rompem, tudo degringola e se autodestrói. É em todos os espaços e âmbitos da vida, onde têm seres humanos, tudo se põe a perder... Desde uma pequena empresa, passando por encargos elevados de chefia (Não... A igreja não é imune, e ela também pode estar atrelada à rede de roubalheira e exploração), até o topo onde se assentam os parlamentares que governam a nação.
É por isso que As Escrituras dizem para não por brinco de ouro em focinho do porco, para não jogar pérolas a porcos, e que a porca lavada volta inevitavelmente a revolver-se no lamaçal - (2Pe2.22).
Sobre a linda porca lavada, significa que não adianta pegar uma porquinha rosa e fofinha, dar um banho com sabonete, lavar com shampoo, depois por talco e perfume e desfechar com chave de ouro, pondo um lindo laço vermelho ao redor do seu pescocinho. Não adianta. Na “primeira de copas”, se der bobeira, ela correrá para a pocilga, e se revolverá na lama úmida, porque é porca. É sua natureza. Não tem jeito.
Penso que adentrar na política partidária, ou esperar ingenuamente favores ou ações solidárias de políticos ou instituições, obterá como resultado, grande frustração e angústia. Usando outra metáfora, se alguém entrar voluntariamente no mar aberto e esperar que esses tubarões vorazes vão respeitar sua postura cristã, é esperar que tubarão assuma atitude de jaraqui.
Só há uma solução. Uma mudança de dentro para fora, no interior do homem, o que desembocará na mudança que mudará o exterior.
Penso que a saída é a formação de pequenas e incontáveis ações corporativas de pequenos grupos, que se ombreiem e se unam para trazer melhores dias para nosso planeta, para minimizar a fome, restaurar a justiça perdida, buscar dar mais dignidade aos que não teriam nenhuma chance de crescer na vida, e a lutar, ainda em tempo, para que o ar e a natureza sejam mantidos em bom estado para que nossos filhos possam respirar melhor amanhã. Uma atitude conspiratória do Reino de Deus, tipo grão de mostarda, se infiltrando eficazmente nas brenhas de sistema apodrecido e sendo sal e luz do mundo, tentar evitar a decomposição total da vida humana e a degradação da sociedade moribunda.
Termino citando o que o livro de Apocalipse diz: “O injusto continue fazendo injustiça, o imundo continue sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se” – Ap22.11.
Isso quer dizer que à medida que o fim dos tempos se aproxima, ficará mais difícil ou impossível haver permuta de fidelidades ou intercâmbio de ética, justiça, amor e moralidade... As coisas estão definidas e seladas. Cada um deve seguir inexoravelmente até o fim de acordo com o conceito que já estabeleceu.
Mas lutar e se esforçar para a melhoria do planeta e da sociedade é prerrogativa intransferível da igreja, não como instituição falida, postada no dinheiro, no crescimento a qualquer preço, ou afundada no lodaçal do legalismo religioso, mas como elemento conspiratório surpresa, um remanescente que há de boicotar o sistema central de irrigação que supre a lama, e minar seus depósitos de podridão, não pela força, mas pelo confronto com a verdade e pelo amor.
Só Deus para fazer a mudança, ainda em tempo!


3 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Matou a porca e fez linguiça!

Tupiniquim disse...

Nossa que porquinha biiita meu santo padre! Realmente há porquinhas que são até conscientes de sua condição, mas há outras que não valem o banho -perfumado- que dão.

markeetoo disse...

Gostei. Fico feliz de ver algumas ações conspiratórias e de certa forma "anônimas" de gente que leva a vida cristã a sério.
Ótimo texto!