quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

sinto falta...


Sinto falta...Dos velhos tempos em que havia mentoria de novos líderes por parte de homens de Deus sábios e piedosos, cheios do Espírito Santo, que encarnavam o Evangelho revelando uma vida simples despojada de interesses desse mundo e se acercavam de seus pupilos com real interesse através de um discipulado informal, mas conferindo as áreas da vida, perguntando, orando e sugerindo soluções com condescendência e humildade, sem cobranças e fiscalizações doentias, mas com o amor incondicional que só existe em Jesus de Nazaré.


Sinto falta...Dos velhos tempos em que se encarava o ministério da igreja com zelo, temor e seriedade, e todo candidato que revelasse alguma vocação pastoral, ou chamado para missões ou mesmo para desempenhar qualquer dom espiritual na igreja, passava por um crivo preparatório de estudos doutrinários e teológicos (não necessariamente seminário formal), que equipava o pretendente com conhecimento teológico prático, visando seus estudos, sermões e opiniões pessoais serem embasados na hermenêutica (estudo de como interpretar a Bíblia corretamente), na exegese (estudo das palavras da Bíblia no seu contexto original),  o que produzia um tipo de obreiro com um currículo de serviço  sacrificial à igreja e à sociedade e uma vida moral e ética compatível com o Evangelho de Cristo. Somente depois de ser acompanhado e experimentado, assumia alguma liderança.
 Hoje em dia, qualquer aventureiro mais desinibido pode se tornar um pastor num curtíssimo intervalo de tempo. É só ter boca grande e mandar ver no besteirol...

Sinto falta...dos velhos tempos em que as pregações dos púlpitos eram pautadas na boa e velha homilética (ensino de como se prega e expõe As Escrituras) e centrada na Palavra de Deus exclusivamente, quando os pregadores eram conscientes e só subiam ao púlpito quando tinham real convicção que estavam interpretando As Escrituras de maneira correta, de acordo com a harmonia doutrinária de toda a Bíblia. Hoje o que se vê e ouve por aí são pregadores copiando os métodos indutivos da neurolinguística, arremedando os conceitos de autores da autoajuda, marcando território com seu “estilo pessoal”, resultando na verbosidade oca que não transforma vidas nem acrescenta absolutamente nada a vida dos que os ouvem.

Sinto falta...dos velhos tempos em que se faziam reuniões de oração e vigílias sem jogo de interesses ou negociatas com Deus, sem as barganhas e troca de favores de hoje em dia, sem as palavras de comando de “ungidos especiais” e sem as manipulações de “levitas” auto exaltados que induzem aos mantras e devaneios “no espirito” em ajuntamentos onde crentes mimados exigem e ordenam suas benções, antes, se reunia para buscar a face de Deus, pelo simples pretexto de ouvir Deus, com sede da Palavra, em ambientes onde o quebrantamento e a contrição eram as marcas dos que se ajoelhavam com temor e tremor em submissão à vontade soberana de Deus.

Sinto falta...Dos velhos tempos em que os cristãos em geral se resignavam em submissão a Deus e através do controle total do Espírito Santo, se mantinham puros interna e exteriormente e cheios de contentamento em Deus dominavam seus impulsos carnais, e mesmo diante de pressões externas inesperadas de dor ou ofensa, mantinham a paz e o autocontrole manifestando tranquilidade, por revelarem  mansidão e humildade, como o próprio  JESUS ensinou no Sermão do Monte. Hoje, vemos cristãos nervosos, pavios-curtos, intolerantes, que extravasam com xingamentos e imprecações, como qualquer um faz no mundo.

Sinto muita falta ...E enquanto isso, as igrejas vão se abarrotando de “crentes zumbis” que se recusam a morrer pra si mesmos, deixam de lado suas cruzes diárias, e nunca se submetem ao domínio do Espírito Santo.
Quando será vamos nos converter como igreja, nos arrepender de fato e volver os olhos para Deus de coração e voltar às velhas práticas e observâncias saudáveis dos tempos de outrora?

8 comentários:

markeetoo disse...

É... precisamos da simplicidade e relacionamento verdadeiro com Ele.

AlyCampos disse...

Certamente ainda não tive em minha caminhada com cristo um experiência tão sacrificial como a que o senhor descreve, mas é exatamente isso que vem tomando meu pensamento e minhas orações últimamente ao leer e pensar sobre o assunto da vida com Jesus, do significado de realmente seguir a cristo, do vinde e sofrei! E tenho me perguntado o que ta faltando para tomar a minha cruz, pessoal, intrasferivel...e seguir os seus passos.. as vezes acho que me tem faltado a coragem e ousadia que Jesus teve..

Gui disse...

Não é a primeira vez que o senhor toca nesse assunto, inclusive no domingo quando fui pra casa c minhas mulheres debatemos sobre a pregação pois eu vivi um pouco disso la em Recife.
De fato é incrível o sentimento de convicção da presença de Deus ali bem pertinho, e após ter experimentado esse desejo fervoroso de Deus e das coisas de Deus sentimos falta mesmo, eu tb sinto falta de minha dedicação e determinação nos primeiros anos de vida cristã.
Agente tinha prazer de se reunir pra orar, pra cantar, pra evangelizar, pra visitar os doentes e até pra expulsar demônio quando precisava e as vezes num tinhamos nenhum objetivo, só queriamos estar juntos e sentir a presença de Deus. Isso me fazia sentir vivo. É pastor, que Deus perdoe a nossa frieza e nos ajude a voltar ao primeiro amor.

Janssem Cardoso disse...

Bem lembrado Manel! Sempre é bom olhar para o que passou e tentar resgatar oq ue ficou perdido!

Rebeka Lima disse...

Olá Pastor!!
Antes de tecer algum comentário sobre seu belo texto,quero desde já agradecer pelo "Abrigo" que vcs tem nos dado! Estamos a cada dia nos apaixonando mais por vcs,pela Igreja,pelos irmaos...é tudo muito diferente do já vivemos. Digo que é uma nova etapa...obrigada mesmo. Apesar de não nos conhecermos bem,o Espírito já testifica,bem como o caráter,o modo como conduzem o rebanho...vcs tem as marcas de Cristo com certeza!!Nos sentimos muito bem com vcs...que seja um tempo bótimoooo!!!rsrs

Romildo Sena Batista disse...

reflexivo, edificante e ao mesmo tempo entristecedor pela relidade nua e crua com que o irmao expoe tao grandes realidades;"quando o filho do homem voltar achará porventura fé na terra".

trocasmali disse...

lindo texto ja estou repassando para muitos. Lúdico, lúcido sem perder a emoçao da tristeza de nao enxergar mais essencia nos olhos e nas mãos de quem se chama cristao. Apenas a ponderação de termos o cuidado de não transpormos os limetes da opinião. É mostrar exatamente a essencia de Jesus na arte de relacionar com o homem independente de suas opiniões, é não concordar com o que a prostituta faz mas defende-la diante dos acusadores que são tão pecadores quanto ela. É enxergar o diabo usando Pedro mas mesmo assim nao descarta-lo do projeto do ser igreja, pelo contrário, inclui-lo até o pescosso ou o corpo inteiro no processo de amar o homem e investir amor a ponto de atrair a muitos por açao do espirito santo como aconteceu em atos. Como o pastor Manoel sempre gosta de falar : " se relacionar com as pessoas sem dizer que é cristão". Esse sim é o propósito eterno: ser imagem e semelhança de Jesus. Nunca desista dos relacionamentos muito menos por divergencias de opiniões e parabens pastor mais uma vez pelas palavras.

Anônimo disse...

Mano Manoel DC, o seu texto é o reflexo de muitos irmãos queridos e simples que continuam "sentindo falta" do essencial (O Evangelho de Jesus) em nosso meio. Evangelho que também é boa nova para mim, pois necessitamos diariamente "zerar" as nossas iniquidades, pois afinal a única oração que deveriamos fazer com prioridade é a do publicano: "Tem misericórdia de mim pecador".
Que O Eterno nos converta e sejamos convertidos, que os nossos dias sejam renovados pela Palavra.
Beijão

Miguel Ângelo,reverendo